Os Insetos da Horta

Escola Primária Santa Ana - pré-escolar e 1º ciclo (Setúbal)

Desafio: "Os Insetos da Horta"

Registo Fotográfico:

Insetos Benéficos/Auxiliares:

Espécie 1:
As crisopas
A crisopa (Chrysopidae) é um inseto usado para controle biológico de pragas na agricultura. É predador voraz, que ataca outros insetos de várias espécies, sobretudo de corpo mole como pulgões, ácaros, tripes, mosca branca, ovos de insetos, lagartas, minadores, psilídeos, cochonilhas, pequenas mariposas, lagartas e larvas de besouros.
Na fase adulta, nem todas as espécies são eficientes no controle de pragas, visto que algumas apenas se alimentam de néctar, pólen e substâncias açucaradas como a melada excretada pelos pulgões e outros insetos. Além disso, se não tiverem por perto estas fontes de alimento, elas acabam por se dispersar muito. O mesmo já não se pode dizer das larvas. No limite, se o alimento for escasso, podem tornar-se canibais comendo os da sua espécie.
A sua eficiência é notável. Quando detetam, uma presa agarram-na e injetam-lhe o seu suco digestivo com as maxilas. Este suco dissolve os órgãos de um pulgão em 90 segundos. Têm forma oval e estão ligados individualmente às plantas por um fio longo.
Para atrair e manter crisopas (e as suas larvas) deve haver nas hortas plantas como a angélica, o dente-de-leão, o endro ou o girassol.

Espécie 2:
AS ABELHAS
As abelhas (Anthophilas) são insetos e desempenham um papel vital na polinização: cerca de 90% das espécies de plantas silvestres do mundo, mais de 75% das culturas alimentares no planeta, assim como, 35% das terras aráveis dependem da polinização. As abelhas são fundamentais para a segurança alimentar e para a conservação da biodiversidade. Há mais de 560 espécies diferentes.
Como ajudar a proteger as abelhas?
Plantar espécies nativas que floresçam em diferentes estações; Comprar mel natural de produtores locais; Adquirir produtos de fontes sustentáveis; Evitar pesticidas, herbicidas e outros produtos nocivos nas culturas; Proteger as colónias de abelhas; Sempre que possível adotar uma criação; Conservar uma fonte de água para as abelhas ao deixar água no exterior; Ajudar os ecossistemas florestais.
Todos nós dependemos das abelhas para produzir grande parte dos nossos alimentos e para salvaguardar e melhorar a biodiversidade do mundo que nos rodeia. As abelhas estão sob uma séria ameaça em todo o planeta, devido à agricultura intensiva e monocultural, ao uso de pesticidas, à perda do seu habitat e ao aumento da temperatura decorrente das alterações climáticas.
Para atrair e manter as abelhas nas hortas, deve-se plantar flores silvestres, árvores de fruto e vegetais, fornecendo água e abrigo às abelhas. As abelhas são atraídas pelas plantas: menta, sálvia, alecrim, tomilho, bálsamo das abelhas, borragem, coentro, funcho, gatária e lavanda.
Visualiza o vídeo sobre a polinização cruzada: https://ensina.rtp.pt/artigo/visiokids-polinizacao-cruzada/

Espécie 3:
AS JOANINHAS
As joaninhas (Coccinellidaes) podem ser observadas em diferentes habitats como jardins, florestas e bosques, mas, são mais comuns em hortas e zonas agrícolas. Em Portugal existem em todo o território nacional.
As joaninhas são extremamente importantes no controlo biológico de pragas: tanto as larvas como os adultos são predadores vorazes de afídios.
As cores brilhantes destes insetos desencorajam o ataque por parte dos predadores: as larvas e os adultos libertam toxinas quando se sentem ameaçados.
A identificação de algumas espécies é possível através do número de pintas pretas existentes nos élitros. Por exemplo, a espécie Coccinela septempunctata apresenta 7 pintas pretas e a espécie coccinela undecimpunctata apresenta 11 pintas pretas.
Para atrair e manter as joaninhas nas hortas, devem plantar-se: endros, gerânios, funchos, coreopsis, angélicas, cosmos, tanacetos, cominhos, dentes-de-leão, coentros, mil-folhas e/ou cenouras.

Insetos Prejudiciais:

Espécie 1:
Cochonilha - Algodão
• Insecto que mede 2 a 35mm de comprimento com pelugem branca.
• Suga a seiva de plantas e catos. Gosta de humidade.
• É parente do pulgão e da cigarra.
• Defende-se dos predadores através da produção de um ácido.
• Aparecimento de pequenas bolinhas brancas nos caules perto das folhas que aparentam ser de algodão.
• Abrigam-se na face interior das folhas e nos botões.
• Produzem uma substância pegajosa deixando as folhas com um aspecto de encerado. Essa substância facilita o ataque de fungos e atrai formigas pelo seu sabor adocicado. Depois de algum tempo as folhas começam a ficar com manchas e murcham e a planta começa a perder o seu vigor

Espécie 2:
Lagarta
• As lagartas não se vêm logo à primeira vista. Os estragos causados são, no entanto, bem visíveis.
• As folhas são comidas desde a borda da folha até ao centro, as nervuras ficam intactas.
• Ao olhar de perto as partes roídas pode aperceber-se das dejeções.
• As lagartas não devem estar longe, escondidas ao longo dos caules ou no centro da planta. Caracterizam-se pela rapidez do ataque e podem, por vezes, roer todas as folhas duma planta em apenas alguns dias.
• Algumas lagartas são ativas durante o inverno, como a processionária do pinheiro, enquanto que outras podem atacar no outono, como a lagarta da couve.
• Esta lagarta vive em grupos de uma dezena de indivíduos, mais ou menos repartida pela planta: se encontrar uma vai ver que encontrará outras ali por perto!

Espécie 3:
Pulgões
• Os pulgões vão destruindo as plantas, secando os caules e deixando as folhas amareladas.
• As raízes apodrecem, as folhas e frutos vão ficando menores.
• Os prejuízos são proporcionais à quantidade da praga.
• Deixam as folhas na parte superior com algumas manchas e na parte inferior deixam um grande número de excrementos, que a tornam pegajosa.
• Este inseto alimenta-se da seiva da planta e injeta substâncias tóxicas que diminuem o crescimento das árvores.

Memória descritiva:
O projecto “Os Insetos da Horta” decorreu no 3º período do mês de maio do ano letivo 2019/2020. As turmas do 4º ano da Escola Primária Santa Ana de Setúbal dinamizaram o projeto durante as aulas síncronas, lecionadas pelos professores titulares de turma, Isabel Ferreira e Marco Belchior. Estes trabalhos foram realizados por seis grupos, de cinco alunos, do 4ºA e 4º B, que em reunião no Teams, foram completando o trabalho com as frases que pesquisaram e com os desenhos de alguns colegas, feitos a lápis de cor e a canetas de feltro.
O resultado final foi muito satisfatório para todos, ficando a sensação de alegria e a aquisição de valores do trabalho em equipa, tornando-nos capazes de transmitir a importância e a necessidade de criar hortas bio em casa.