Os Insetos da Horta

Jardim de Infância da Pampilhosa (Mealhada)

Desafio: "Os Insetos da Horta"

Registo Fotográfico:

Insetos Benéficos/Auxiliares:

Espécie 1:
ABELHAS - Todos nós reconhecemos e conhecemos a importância das abelhas para o funcionamento de todos os ecossistemas terrestres. Estes insetos, em busca do néctar das flores, atuam como polinizadores, transportando o pólen de uma planta para outra. Nos nossos jardins e hortas elas também executam essa função primordial e serão muito importantes para a formação dos frutos de nossos vegetais e frutos. De forma direta ou indireta, mais de 70% da alimentação humana dependem diretamente da polinização e, logo, destes maravilhosos insetos. Por isso, respeitá-las e preservá-las é dever de todos.

Espécie 2:
JOANINHAS
Estes pequenos besouros coccinelideos, conhecidos de todos, são predadores vorazes de afídeos (pulgões). Tanto a larva quanto o indivíduo adulto podem ingerir uma grande quantidade de pulgões e também outros insetos sugadores, como a cochonilha. As espécies de joaninhas mais ativas no controle de pragas são o vermelho de 7 pontos e o vermelho de 2 pontos.

Espécie 3:
TESOURINHAS
São insetos facilmente reconhecíveis por seus anexos abdominais na forma de fórceps. Eles são onívoros, comem vegetais e insetos (afídeos ou woodlice), portanto devemos controlar seu comportamento em nosso jardim. Certamente, se tivermos qualquer praga de pulgões, eles se alimentarão disso, mas se não tivermos pragas, é possível que comam brotos e frutos de nossas plantações.
São conhecidos em Portugal como bicha-cadela, os dermápteros (nome cientifico), a maioria possui hábitos noturnos e durante o dia alimentam-se principalmente de vegetação morta, mas outros de vegetação viva, ou então são predadores.
Considerada uma das ordens ortopteróides, contém cerca de 1800 espécies conhecidas e possui quatro subordens reconhecidas, sendo que das três ainda existentes, Hemimerina e Arixeniina são grupos pequenos de insetos vivíparos que vivem em associação com vertebrados, enquanto a maioria ovípara se encontra dentro da subordem Forficulina.

Insetos Prejudiciais:

Espécie 1:
PULGÃO VERDE
Os afídios, afídeos, pulgões ou piolhos-das-plantas são insetos diminutos que se alimentam da seiva de plantas, da superfamília dos afidoídeos,. Cerca de 250 espécies constituem sérias pragas para a agricultura, floresta e jardinagem ao sugarem a seiva das plantas e servindo como vetor de transmissão de vírus.
A joaninha é um dos seus principais predadores. Existem por todo o mundo, embora a maioria prefira as regiões temperadas.
São mais frequentes em regiões temperadas, onde também existem maior diversidade de espécies, ao contrário do que acontece com outros grupos taxonómicos de seres, que costumam apresentar maior biodiversidade em zonas tropicais. Podem migrar por grandes distâncias, principalmente através de dispersão passiva, levados pelo vento. Por exemplo, acredita-se que o piolho-da-alface ter-se-á dispersado a partir da Nova Zelândia para a Tasmânia desta forma. A sua dispersão a nível global deve-se também ao transporte, por parte de humanos, de materiais vegetais infetados.

Espécie 2:
LAGARTAS
Chama-se lagarta ao primeiro estágio larval dos insetos da ordem dos Lepidoptera. Têm o aspecto de vermes, por vezes segmentados e com os rudimentos dos três pares de patas característicos dos adultos. O estado seguinte chama-se pupa e geralmente forma-se dentro de um casulo. Geralmente, as lagartas alimentam-se vorazmente e podem atingir tamanhos de mais de 10 cm, embora o inseto adulto raramente chegue a essas dimensões. Algumas alimentam-se de folhas de plantas e podem constituir uma praga nas culturas e jardins. Outras desenvolvem-se dentro de frutos em maturação – a fêmea coloca os ovos dentro do ovário da flor e a larva alimenta-se do pericarpo ou mesmo da semente. Noutros casos, os ovos podem ser colocados por baixo da pele dum animal vivo e as lagartas parasitam-no. As lagartas das moscas alimentam-se de animais mortos ou de dejetos – são detritívoras.

Espécie 3:
COCHONILHA ALGODÃO –
É um homóptero com 6 gerações anuais. Hiberna sobre madeira velha e debaixo do ritidoma das cepas. A geração hibernante coliniza nós e entrenós, pecíolos e nervuras das folhas.
Em finais de Julho, observa-se melada nos cachos que, juntamente com a humidade forma fumagina.
Verifica-se um mau funcionamento de folhas e sarmentos, rebentos mais curtos e queda prematura das folhas, o que conduz à diminuição da colheita no ano seguinte. Nos cachos ocorre perda de qualidade.
A cochonilha-algodão instala-se em todos os órgãos da vinha, verdes e lenhosos (troncos, varas, folhas e cachos).
Muitas folhas atacadas secam e vão ficando penduradas no meio da vegetação ainda verde.
A melada produzida pelas cochonilhas dá um aspeto brilhante e pegajoso às folhas e aos cachos e atrai as formigas, que apenas procuram alimentar-se dessa melada adocicada e não causam prejuízos à videira.
Sobre esta melada desenvolve-se um fungo negro, vulgarmente chamado fumagina, cobrindo varas, folhas e cachos, dificultando as funções de respiração e de elaboração e acumulação de reservas de açúcares, aminoácidos e outros compostos pelas folhas, degradando as uvas e enfraquecendo a videira.
As cochonilhas agrupam-se em colónias sob a casca dos troncos para passarem o Inverno.

Memória descritiva:
O tema foi dado a conhecer ao Pais/PEE, e crianças através de sessões de grupo síncronas. Como houve a hipótese de alguns pais se terem voluntariado para este trabalho, o 1º passo foi informá-los do tema e possível pesquisa e investigação e juntamente com os seus filhos passar à ação. Assim, este trabalho, que foi apresentado, foi o escolhido e o Encarregado de Educação enviou por mail, tanto a parte de informação/pesquisa como os desenhos. A criança tem 5 anos.