As Nossas Hortas Bio

Escola EB1/PE do Monte (Antiga EB1/PE Livramento - Monte) (Funchal)

A Nossa Horta Bio

Horta pequena (até 50m²)

horta em janeiro

horta em março

horta em maio

saber mais sobre a nossa horta bio

desenho/croqui da horta

questionário

1. Há quanto tempo existe uma horta na escola?

A criação da horta biológica na escola, bem como as atividades de manutenção e conservação, como forma de mostrar aos alunos a importância da natureza, das plantas, dos animais e a relação entre estes e o ser humano, deu-se há 6 anos, aquando da primeira

2. Área aproximada da horta (m²):

As duas hortas bio têm uma área aproximada de 50 metros quadrados, no entanto, apesar da reduzida área, quisemos ter uma grande variedade de árvores, plantas e produtos hortícolas, como forma de mostrar a maior variedade possível de espécimes.

3. Quem trata da horta?

3.1. N.º de professores envolvidos:

12

3.2. Disciplinas que mais participam na dinâmica da horta:

Todos os professores e educadoras, com especial relevo para os professores coordenadores do programa e às vezes os Encarregados de Educação de alguns alunos

3.3. N.º de alunos envolvidos:

Todos

3.4. N.º de funcionários da Escola envolvidos:

3

4. As famílias são envolvidas?

4.1. Como e com que frequência?

Tentamos envolver diretamente a participação das famílias e restante comunidade escolar na horta bio através de visitas à horta, no sentido da escola divulgar o trabalho feito pelos alunos, mostrando àquelas a importância que a escola dá às temáticas da Preservação do Meio Ambiente, da Educação Ambiental e da educação para uma cidadania mais responsável e consciente, bem como a importância da agricultura biológica e dos seus benefícios. Por outro lado, a participação das famílias passa também pela ajuda, de vez em quando, nos trabalhos mais pesados da horta. Por fim, apelamos aos encarregados de educação para contribuir e doar, com frequência, algumas sementes e plântulas para cultivo na horta bio, numa tentativa de os integrar nas atividades e de uma participação mais ativa. De vez em quando, os alunos também solicitam aos pais alguns produtos para o compostor da escola, trazendo assim de casa borras de café, cascas de alimentos, cascas de ovos, etc.. Por fim, quase todas as semanas realizamos um Mercadinho Bio com os produtos da horta para venda aos encarregados de educação, professores e funcionários da escola.
Este ano, construímos um galinheiro na horta bio com o intuito de produzir ovos para a cantina/ alimentação das crianças e mostrar o ciclo de vida das galinhas, bem como de termos associados à horta bio alguns animais e a produção de estrume bio para fertilização do solo. Tivemos desde logo a participação dos pais e da Câmara Municipal do Funchal neste projeto, tanto na cedência dos materiais de construção, como na construção. Alguns Encarregados de Educação disponibilizaram-se para oferecer galinhas e coelhos à escola.

5. Apresentar exemplos do impacto da horta na comunidade e nos alunos:

As atividades realizadas nas hortas bio têm o propósito de mostrar às crianças o ciclo do nascimento, crescimento e reprodução das plantas, no sentido de estas conhecerem, perceberem e valorizarem os alimentos que usamos na nossa alimentação. Desta forma, os alunos podem acompanhar de perto o crescimento das plantas, chegando mesmo a colherem os produtos da horta para depois os consumirem nas suas refeições diárias. Neste ano letivo, com a construção do galinheiro tivemos a objetivo de incluir/ associar alguns animais à hortas bio, tanto na produção alimentos de origem animal para consumo pelos alunos na cantina da escola, como na confeção e preparação de estrumes para adubação da horta e consequente fertilização dos solos. Este projeto da construção do galinheiro e da criação de animais associados à horta bio, teve ainda como objetivo fazer o aproveitamento de restos de comida e alimentos que sobram todos os dias das refeições dos alunos da escola e que doutra forma são deitados para o lixo ou doados à comunidade para alimentação animal. Trabalhamos assim a Educação Ambiental e a Educação Alimentar em parceria e é-nos gratificante ver o empenho e alegria demonstrados pelos alunos.
Outro dos propósitos da criação das hortas bio foi o aproveitamento e valorização dos espaços envolventes à Escola que estavam desvalorizados, inacessíveis aos alunos e demais adultos e consequentemente mal cuidados. Pelo que a escola, com o apoio dos pais/ encarregados de educação, da Junta de Freguesia do Monte e da Câmara Municipal do Funchal, conseguiu devolver àqueles espaços a acessibilidade por forma a devolver aos alunos o contacto com a terra e as atividades com elas relacionadas, criando assim um espaço agradável de trabalho em equipa e um verdadeiro laboratório/ aula ao ar livre, onde as crianças podem estudar e experimentar as temáticas abordadas na sala de aula relacionadas com o Estudo do Meio.
A criação das hortas bio teve ainda o propósito de mostrar às crianças, alunos e demais comunidade escolar (Pais, Professores e Funcionários) os benefícios de uma agricultura biológica, mais amiga do ambiente e respeitadora dos ritmos de crescimento das plantas, por forma a conseguir obter alimentos de grande qualidade nutricional e muito mais saborosos, sensibilizando todos os elementos da comunidade escolar para a temática de uma agricultura mais amiga do ambiente e de uma alimentação saudável.
Assim, a horta bio veio trazer uma nova dinâmica à escola através das atividades desenvolvias no âmbito ambiental e ecológico, a par de uma valorização e rentabilização dos espaços verdes circundantes, pois, alguns dos produtos hortícolas são vendidos à comunidade educativa a preços simbólicos, como forma de promover uma alimentação saudável e dar a conhecer o trabalho realizado pelos alunos, professores e funcionários deste estabelecimento de ensino.
Os impactos mais visíveis da horta bio na comunidade e alunos da escola têm sido:
- A preocupação com a preservação do meio ambiente;
- O cuidado com uma alimentação mais saudável;
- O conhecimento adquirido, isto é, tanto os alunos, como a comunidade educativa estão mais conscientes e despertos para a importância destas práticas mais amigas do ambiente e mais saudáveis - criação de uma consciência coletiva e responsável. Desta forma e pelo trabalho realizado ao longo deste ano, a EB1/PE do Monte foi já várias vezes galardoada pela Câmara Municipal do Funchal com o 1º prémio respetivamente no concurso Uma Escola Um Jardim – participação na categoria Horta Bio.
O projeto Uma sala aberta para o mundo surgiu do plano de ação estratégico – Projeto Educativo de Escola da EB1/PE do Monte em consonância e continuidade com o projeto da Horta Bio e seus resultados atingidos nos últimos anos de participação.
Considerou-se assim, e no seguimento do que vínhamos a fazer com a Horta Bio, necessário melhorar as competências dos alunos nas seguintes áreas: na inclusão de crianças em diferentes ambientes durante o processo educativo e na qualidade da educação através de experiências enriquecedoras em ambiente externo à sala de aula.
O projeto visa ainda, não só, promover a cidadania ativa e os valores comuns de liberdade, tolerância e não-discriminação, bem como melhorar a qualidade da educação, possibilitando a ocorrência de mudanças positivas na organização escolar tais como: a modernização/diferenciação e a inovação do currículo dos alunos em ambientes diferenciados e inovadores.
Assim sendo e como forma de atingir os objetivos supramencionados a escola propôs-se transformar um espaço externo à escola – Jardim inacessível e por vezes descuidado, que estava desaproveitado, sem utilidade e pouco cuidado, numa sala ao ar livre com as portas abertas para o mundo, onde os alunos das quatro turmas de primeiro ciclo e os dois grupos do pré-escolar, pudessem ter as suas aulas ao ar livre naquele espaço, por forma de terem outras abordagens do currículo e das suas aprendizagens.
O espaço propício a aprendizagens diferenciadas e novas abordagens curriculares caracteriza-se por ser um espaço ao ar livre, onde não existem cadeiras nem mesas comuns, mas sim várias zonas de trabalho e aprendizagem, uma grande mesa central redonda que fica debaixo de uma grande árvore já existente e uma piscina de areia, onde podem brincar e representar formas ou figuras geométricas, escrever na areia ou representar de forma concreta ideias suas. Além do mais possui ainda uns expositores de madeira, um quadro e uma pequena biblioteca que complementam as valências da sala. Note-se que todos estes recursos educativos foram elaborados com materiais reutilizados que os professores, alunos, pais e funcionários foram reaproveitando, transformando e construindo.
O espaço tem sido usado regularmente por todos os professores da escola como estratégia para motivar os alunos para novas aprendizagens diferenciadas, ativas e inovadoras, á semelhança do que tem vindo a fazer com as aulas na Horta Bio, procurando que estas sejam mais significativas para os alunos e, portanto, que sejam os próprios alunos a fazer e descobrir as suas próprias aprendizagens, num ambiente mais saudável, agradável e potencializador do trabalho colaborativo e em grupo.
Pelas suas características singulares e envolvência a “sala aberta para o mundo” tem sido um espaço de aprendizagens em que se valoriza o saber fazer e a interação entre as crianças, pois sendo um espaço de aprendizagens informais os alunos apreendem os conteúdos programáticos de forma lúdica. É um espaço onde as suas aspirações e conhecimentos prévios são valorizados pelos professores.
Além do mais, agora que as atividades presenciais do ensino Pré-escolar vão reabrir, depois do surto pandémico Covid-19, esta sala com as suas características e valências próprias será uma mais-valia e um recurso estratégico no ensino presencial. Pois configura-se como um espaço ao ar livre, amplo e com risco reduzido de transmissão do vírus. Aproveitaremos, ainda mais este recurso físico, como uma das medidas de contenção da pandemia.
Tem sido um prazer ver as crianças da escola a interagirem e a construírem as suas próprias aprendizagens num espaço que transparece a sua felicidade e alegria de ser criança.
No ano letivo passado, fomos galardoados com o selo de Escola Amiga da Criança, no Concurso Nacional com o mesmo nome, por proporcionarmos às crianças, através da Horta Bio e da Sala Aberta para o Mundo, ambientes inovadores de aprendizagens e atividades amigas do ambiente nas categorias: Alimentação, Saúde e Meio Ambiente – Atividades Extracurriculares e/ou Interdisciplinares.
Finalmente, estes espaços são considerados pelos alunos e professores uma sala de aulas ao ar livre, promovendo atividades variadas e diferenciadas, criadoras de mais aprendizagem para toda a comunidade escolar, caracterizando-se por ser uma estratégia de aprendizagem diferenciada e aberta com o objetivo de tornar as aprendizagens dos alunos mais significativas em espaços externos e naturais que permitem um ambiente informal de interação lúdica. Os alunos têm a possibilidade de construir as suas próprias aprendizagens num espaço exterior à sala de aula, onde eles são os “atores” principais.

6. Como é organizada a manutenção da horta e a repartição de tarefas?

A transversalidade interdisciplinar do projeto da Horta Bio na nossa escola passa por envolver tanto as atividades de enriquecimento do currículo, como as atividades curriculares da escola e consequentemente os alunos e professores, funcionários e Encarregados de Educação nas tarefas, experiências e atividades ao ar livre relacionadas com os trabalhos de manutenção da horta bio, da sala de aulas ao ar livre e do galinheiro ao longo do ano letivo. A horta bio para além de ser um espaço de trabalho, experimentação é também um espaço de contacto com a natureza, que permite à comunidade escolar acompanhar o ritmo da natureza, às vezes tão difícil de perceber em ambiente citadino.
Além do mais, todos os alunos da escola têm por semana uma hora para o projeto Eco-escolas, que está contabilizada em horário da turma dentro das atividades de enriquecimento do currículo. Desta maneira, quando há tarefas a serem desenvolvidas e realizadas no âmbito da horta bio e as condições climatéricas ajudam, os alunos vão à horta bio com o professor e um funcionário para realizarem as tarefas que estão escaladas numa lista de trabalhos a realizar durante a semana. As tarefas são agendadas e realizadas de acordo com as necessidades da horta e com a faixa etária dos alunos que estão escalados. Os alunos do 3º e 4ºanos conseguem ajudar nas tarefas mais pesadas e demoradas, por sua vez os alunos do 1º, 2º e as crianças da pré, realizam tarefas mais leves e menos demoradas. Todas as semanas, os funcionários e os professores que estão ao cuidado da horta combinam as tarefas que precisam de ser realizadas, no sentido de ter a horta sempre organizada.

7. Como é feita a preparação do solo?

A preparação do solo é feita no início de cada ano letivo (preparação inicial) e ao longo do mesmo consoante as necessidades de cada tabuleiro de cultura e início da plantação das próximas plantas em ciclos contínuos. Assim sendo, no início de cada ano letivo, em setembro e outubro, a horta leva uma limpeza profunda e cuidada de todas as infestantes, posteriormente o solo é cavado e os tabuleiros de cultivo são organizados tendo em conta as plantas que vamos semear ou plantar. Depois de cavado o solo é fertilizado com o composto orgânico que é retirado dos dois compostores que temos na horta e que são alvo de trabalhos para mais um ciclo de compostagem ao longo dos 9 meses seguintes. Este ano tivemos o apoio de uma quinta de cavalos que nos ofereceu estrume de cavalo para incorporar com o composto biológico e assim enriquecer ainda mais a fertilização do solo. Fruto dos prémios atribuídos à escola no âmbito do Programa Eco-escolas e outros projetos em que nos envolvemos, reservamos algumas verbas para compra de algum composto bio e plântulas. Todos os anos, fazemos um pedido de 3 metros cúbicos de estilha vegetal à Estação de Separação e Triagem de Resíduos Sólidos da Câmara Municipal do Funchal, que aproveitamos para incorporar diretamente na terra, deixando-a menos compacta e mais fertilizada com matéria vegetal e ainda aproveitamos alguma para compostar nos 3 compostores da escola, intercalando com as camadas verdes de composto.
Enriquecido que está o solo, este é dividido em tabuleiros ajustados às necessidades das plantas e tendo em conta o programa de cultivo que a escola define para esse ano. Durante o ano letivo, a escola (alunos, professores, funcionários e pais) vão ajustando as necessidades de fertilização dos tabuleiros de plantação às culturas presentes; pelo que se pede a colaboração da comunidade educativa no sentido de poderem ajudar na angariação de todo o tipo de fertilizantes orgânicos e biológicos como estrume de animais, composto e estilha de vegetal.

8. É feita compostagem?

8.1. Se sim, como e com que materiais?

Sim, pois temos três compostores, um oferecido pela CMF e dois construídos pelos alunos com paletes de madeira. A compostagem na nossa horta bio é feita ao longo de todo o ano letivo num ciclo contínuo e interminável de aproveitamento e reciclagem de todos os materiais orgânicos vegetais que são produzidos na limpeza dos jardins, na limpeza da própria horta e pelos restos vegetais crus utilizados na confeção das refeições dos alunos na cozinha. Somente não são aproveitados os materiais que constituam um risco acrescido para a preparação do composto, como ramos e galhos muito grossos de árvores, plantas infestantes com sementes resistentes ao processo de compostagem e alimentos cozidos e cozinhados, por atraírem insetos e animais indesejados (ratos).
Por outro lado, ao longo do ano letivo, pedimos a colaboração da Câmara Municipal do Funchal no sentido de nos cederem uma carrinha cheia de estilha vegetal (3 metros cúbicos) limpa e seca para complementar e intercalar com o material vegetal verde e assim melhorar o processo de compostagem. Além disso, os alunos e Encarregados de Educação contribuem com outros elementos orgânicos, como borras de café - pais que trabalham em bares - estrume de animais, cascas de ovo, etc.. Refira-se que o composto orgânico que é produzido nos dois compostores quase que é suficiente para as necessidades da horta bio.

9. Quais as culturas / consociações instaladas?

As hortas bio, no seu conjunto, têm uma área aproximada de 50 metros quadrados, no entanto, apesar da reduzida área, quisemos ter uma grande variedade de árvores, plantas e produtos hortícolas, como forma de mostrar a maior variedade possível de espécimes, de entre os quais destacamos:
Árvores de fruto: figueira, nespereira, bananeiras de três espécies diferentes, araçás, pitangueira, anoneira e diospireiro, amexieira.
Hortícolas: alfaces de várias espécies , favas, couve-flor, brócolos, repolhos, couve de todos os dias, espinafres, acelgas, rúcula, cebola, cenoura, nabos, alho francês, beringela, funcho de bolbo, batatas, beterraba, espargos, tomates e pimpinelas.
Ervas aromáticas e de chá: alecrim, funcho, poejo, boldo, tomilho, tomilho limão, caninha citronela, orégãos, macela - camomila, duas espécies de hortelã, cidreira, alfazema, malva de chá, erva canela, manjericão, salsa e aipo.
Plantas que produzem fruto ou comestíveis: fisális, pera meloa, maracujás de várias espécies, cana-de-açúcar, morangueiros e abacaxi.
Plantas de flor de corte: Vários tipos de próteas.
Espécies endémicas: Dragoeiro, barbuzano, louro, estreleira da Madeira, til e massaroco.

11. É feita recolha da água da chuva?

11.1. Como é feita a gestão da rega?

A gestão da rega é feita semanalmente consoante as necessidades de cada cultura e tendo em conta a máxima eficiência e eficácia da mesma. Assim sendo é estabelecido um plano semanal em que é atribuída a rega da horta a uma turma que esteja a frequentar as atividades de enriquecimento do currículo alternadamente, sempre que possível. Quando os alunos não podem realizar a tarefa de regar as plantas, os funcionários da escola realizam a tarefa. O processo de rega é realizado sempre nas horas do dia de menor calor, de manhã ou ao final da tarde.

12. Monitorização de pragas e doenças:

12.1. É feita monitorização de pragas e doenças? Como e com que frequência?

Aquando das visitas semanais à horta bio para as tarefas planeadas, é feita uma observação direta do estado sanitário das plantas e árvores. Desta forma, conseguimos, ao longo do ano, intervir precocemente em todos os focos de infestação e doença, no sentido de minimizar as perdas. Assim que é detetada alguma praga ou doença pelos alunos, professores ou funcionários, a mesma é referenciada e devidamente identificada tendo em vista o seu tratamento.

12.2. Houve ataques de pragas e/ou doenças?

12.3. Se sim, quais e como foram combatidas?

Tivemos uma infestação de míldio e oídio no início da primavera, devido às altas temperaturas e à humidade constante. Estas doenças, logo que detetadas foram tratadas com enxofre em pó e posteriormente com sulfato de cobre diluído em água, como forma de prevenção. As plantas mais afetadas foram eliminadas da horta, para não propagarem mais a doença. Tivemos o cuidado de explicar aos alunos a origem da doença fungicida, a sua causa e não colocámos as plantas doentes arrancadas no compostor, pois isso poderia infetar o solo e as novas plantas aquando da fertilização.

13. Existem animais de criação ligados à horta?

13.1. Se sim, que espécies?

Este ano letivo construímos um galinheiro com o intuito de termos galinhas e patos para a produção de ovos para a confeção dos almoços das crianças. Também equacionámos a produção de estrume biológico dos animais do galinheiro para fertilização do solo. Contudo devido à Pandemia os trabalhos ficaram parados impedindo-nos de acabar o projeto.

14. Assinale outras atividades que se realizam em torno da horta:

Feira na escola
Feira na comunidade
Confecção de sopas e outros pratos
Concursos
Aulas na horta
Outra

Outra, qual?

14.1. Das que assinalou, descreva até três que considera mais significativas, referindo para cada uma o número de vezes que se realizou durante o ano, número de pessoas envolvidas, tipo de participação dos alunos, impacto na comunidade e outros aspetos relevantes:

Atividade 1:

Descrição:

Quase todas as sextas-feiras, os coordenadores do Programa Eco-escolas realizam um mercadinho de produtos biológicos com os produtos bio da horta. A atividade é apoiada pelos alunos tanto na colheita dos produtos quanto na preparação dos cabazes como na venda ao público.
O impacto esperado é a valorização dos produtos bio locais e o incentivo a uma alimentação saudável.

Fotografias:

Atividade 2:

Descrição:

A sala de aulas no exterior - Horta bio - é considerada pelos alunos e professores uma aula ao ar livre, promovendo atividades variadas e diferenciadas, criadoras de mais aprendizagem para toda a comunidade escolar, o que nos levou a implementar, durante os dois últimos anos letivos, um projeto e uma nova estratégia de ensino que passam por criar uma sala de aulas ao ar livre onde, pelo menos, uma vez por mês cada turma terá a sua aula curricular ao ar livre, como forma diferenciadora de aprendizagem. Este projeto intitulado: Uma sala aberta para o mundo – foi distinguida no passado ano letivo com o selo Escola Amiga da Criança, na categoria Atividades extracurriculares e/ou interdisciplinares. Tem sido visitado por várias escolas locais e por escolas estrangeiras participantes em projetos Erasmus + como sinal das boas práticas educativas e ambientais da nossa escola.

Fotografias:

Atividade 3:

Descrição:

A horta bio possibilita à escola a introdução de alimentos biológicos no menu da escola; pois são cedidos semanalmente alguns produtos hortícolas à cantina no sentido de serem confecionados e consumidos pelos alunos tanto ao almoço como nos lanches. A periodicidade desta atividade está condicionada à altura do ano e à quantidade de produtos produzidos e disponíveis na Horta Bio.
Todas as vezes que se realiza, a colheita dos produtos hortícolas e/ou frutas é feita por alunos, professores e funcionários da escola.
A mais valia associada é a promoção de uma alimentação saudável e o conhecimento de produtos que em casa os pais não confecionam.

Fotografias:

15. Outros aspetos de realce da horta:

Ao longo do presente ano letivo 2019/20, à semelhança dos anos transatos, a EB1/PE do Monte tem-se pautado por trabalhar junto dos alunos e da comunidade educativa a vertente ambiental, no sentido de incutir em toda a comunidade a formação cognitiva dos valores ecológicos através de comportamento e atitude ambientalmente sustentáveis.
Acreditamos, pois, que uma sociedade com cidadãos mais informados e conhecedores do património ambiental regional/ global será uma sociedade mais consciente e reflexiva, bem como uma sociedade mais responsável, percebendo que o bem-estar social depende em grande parte do estado de conservação ecológico e ambiental onde cada um vive.
Neste sentido, a educação ambiental, na nossa escola, tem sido um processo de reconhecimento de valores e clarificação de conceitos, modificando as atitudes em relação ao meio, para entender e apreciar as inter-relações entre os seres humanos, relacionando-se ainda com práticas de tomada de decisão que conduzem à melhoria da qualidade de vida.
Desta forma, este processo em que se busca despertar a preocupação individual e coletiva para as questões ambientais, garantindo o acesso à informação em linguagem adequada e contribuindo para o desenvolvimento de uma consciência crítica dos alunos, desenvolve-se principalmente através da implementação e participação no Programa Eco-escolas. Desenvolvido em contexto sala de aula e no exterior, procuramos trabalhar não apenas para a mudança da cultura ambiental da comunidade educativa, mas também para a transformação de uma sociedade ambientalmente sustentável, assumindo o futuro como responsabilidade de cada um.
Neste sentido e a par das atividades desenvolvidas na sala de aula, os alunos puderam, ao longo dos últimos três anos letivos, usufruir de um conjunto de iniciativas constantes no Plano Eco-escolas, em que se inserem variadas iniciativas de carácter ecológico. De entre elas, destacamos, com especial relevo, a implementação de duas hortas biológicas na escola, assim como de atividades de manutenção e conservação dos jardins envolventes, como forma de mostrar aos alunos a importância da natureza, das plantas, dos animais e da relação entre estes e o ser humano – Bioma.
Estando a Escola do Monte atualmente inserida num meio urbano, certo é que, em tempos, a área da Freguesia do Monte foi uma importante zona agrícola, em que as pessoas estavam intimamente relacionadas e dependentes da terra como forma de subsistência. Assim sendo, com a criação das nossas hortas biológicas, quisemos voltar a proporcionar aos alunos o contacto com as tradições, com o solo e com o “milagre” de ajudar a crescer plantas, demonstrando-lhes a importância da agricultura, da preservação e valorização do solo.
A originalidade deste projeto na nossa escola passa por envolver tanto as atividades de enriquecimento do currículo, como as atividades curriculares da escola e consequentemente os alunos e professores em tarefas, experiências e atividades ao ar livre, permitindo a horta bio que aqueles alunos e professores possam ter um laboratório de experiências e um observatório real/ natural e externo ao ambiente sala de aula, ao qual estavam circunscritos. A horta bio para além de ser um espaço de trabalho, experimentação é também um espaço de contacto com a natureza, que permite à comunidade escolar acompanhar o ritmo da natureza, às vezes tão difícil de perceber em ambiente citadino.

15.1. Link para a página da horta:

Pontualmente e quando existe uma atividade de relevo colocamos no Facebook da escola algumas publicações relativas à Horta Bio.